quinta-feira, 27 de junho de 2019

Relacionamento abusivo entre pais e filhos

Este é um assunto super delicado e quero deixar bem claro que é apenas meu ponto de vista sobre esse tipo de relacionamento entre pais e filhos. Não sou psicóloga, mas sou filha e sou mãe, então através das experiências como filha de pais separados, pude perceber alguns erros nos meus pais que tentei e tento amenizar ou eliminar por completo no relacionamento com o meu filho. Acredito que todos tentamos sempre melhorar com as futuras gerações, mas vejo alguns pais e mães que são abusivos com seus filhos muitas vezes por motivos pessoais, que não têm nada a ver com outra pessoa, e que despejam esses sentimentos negativos sobre os filhos, por serem seus frutos e dependentes, como se ali quisessem dividir ou passar adiante a culpa que sentem nos seus corações e das suas cabeças. Geralmente pais abusivos têm questões mal resolvidas dentro de si e têm dificuldade de enxergar isso para procurar soluções.
Existem vários tipos de famílias e vários tipos de responsáveis pelas crianças do mundo. Há quem não seja pai ou mãe biológico(a) e seja muito mais amoroso(a), atencioso(a) e melhor preparado(a) para cuidar de outro ser humano. Por outro lado, existem os pais e mães, biológicos ou não, que criam seus filhos sentindo-se obrigados a carregar aquele fardo, usando essa responsabilidade para se vitimizarem sempre que puderem e jogar inclusive na cara dos filhos que eles perderam suas juventudes ou deixaram de lado seus sonhos para educá-los. Eu me pergunto: por que essas pessoas tiveram filhos? Por que não pensaram mais um pouco antes de tê-los, ou por que simplesmente não aceitaram que a partir do momento que essas pessoas passaram a existir em suas vidas, a vida mudaria sim, mas existe também felicidade nessa mudança? É muito doloroso ser filho ou filha de alguém que está o tempo todo reclamando da vida e sentir-se estranhamente culpado(a) simplesmente por existir. Não é justo. São responsáveis abusivos, que despejam suas desilusões e frustrações nas costas dos que estão sob seus cuidados e, por isso, em posição mais frágil diante deles. São pessoas venenosas, tiranas, que se utilizam do pequeno poder que têm sobre outras pessoas para sugar suas energias e assim se sentirem um pouco melhor. É difícil de acreditar que existem pais assim, que agem como vampiros emocionais e tratam de infernizar a vida de todos ao redor para se sentirem poderosos. Mas existem e não são poucos.
Eu acredito que deveria existir um curso para pais, uma faculdade mesmo, de quatro a cinco anos, onde a pessoa aprenderia sobre psicologia, o universo da criança e do adolescente, como lidar com situações cotidianas de cada fase, valores sentimentais, sobre como lidar com as próprias frustrações, sobre respeito e disciplina e sobre como ser motivador e um bom exemplo para as futuras gerações. Deveria haver um estágio para os aspirantes a pais, onde eles tivessem contato com crianças de várias idades, adolescentes e jovens adultos. Deveriam existir provas para futuros pais e aqueles que não passassem teriam a chance de reprovar e refazer aquelas matérias para se prepararem direitinho. Quem sabe aí muitos desistiriam do fetiche de se ter um filho apenas para satisfazer uma cobrança social e resolveriam sair conhecer o mundo ao invés disso, por exemplo. Teríamos muitos titios e titias felizes espalhados por aí que dariam bons padrinhos e menos pais e mães sem vocação nenhuma para lidarem com o dia a dia dos filhos. As pessoas precisam aprender a serem bons pais. O mundo está cheio de pessoas sem rumo porque não tiveram a motivação e o carinho necessário dos seus cuidadores. As pessoas precisam entender que ser pai ou mãe não é tarefa fácil, mas que elas devem evitar transformar a vida dos seus filhos em um inferno por isso. Qual é a dificuldade em ser mais positivo e procurar soluções mais leves para os momentos de crise? Qual é a dificuldade em respirar fundo e contar até dez antes de esbravejar alguma besteira? Os seres humanos precisam de mais amor e carinho para se desenvolverem no mundo.
Aí vem aquela pergunta: eu sou obrigado(a) a gostar de um pai ou uma mãe que não me trata bem? Não, não é obrigado(a). Você deve sair do ciclo vicioso para, inclusive, não repetir esse ciclo com mais ninguém. Você deve se colocar fora de cena e observar que isso não faz parte de você, você não é assim e não precisa fazer parte disso. Você deve se independizar e criar uma nova vida, sem a influência de pessoas venenosas. Porque muitas vezes tentamos abrandar ou melhorar essas pessoas ao longo dos anos, mas sem muito êxito. Quando percebemos que não nos compete mais tentar mudar essas pessoas, devemos nos afastar delas e tentar "amar" de longe. Sim, pois estranhamente ainda pode existir o amor pelo simples fato de nos terem dado a vida. Amar sua fonte de existência simplesmente por existir é também uma forma de libertar-se de qualquer culpa ou rancor e seguir em frente. Você não precisa carregar as correntes pesadas do rancor ou da angústia por ter nascido ou crescido com essas pessoas. Você pode criar uma nova vida, prazerosa e plena onde todos que estiverem ao seu redor sejam respeitosos, amorosos e motivem-se uns aos outros a serem cada vez melhores neste mundo. Um ambiente onde as pessoas não precisem levantar a voz para serem ouvidas ou tentarem manipular psicologicamente umas às outras para se sentirem mais fortes. Um ambiente sadio e feliz. Esse ambiente existe e é preciso que todos os que querem viver assim saibam disso. O ambiente certo existe! Procure praticar exercícios; busque por alguma filosofia que trabalhe o corpo e a mente, como o yoga por exemplo, procure escrever suas metas, as mais atingíveis por primeiro para você ir vencendo-as como questões de uma prova: primeiro as mais fáceis e depois as mais difíceis e permita-se chorar para desestressar sem se sentir triste ou deprimido por isso. Chore sozinho de vez em quando quando estiver muito difícil, mas sempre acredite nas suas metas de vida. Em seguida, enxugue as lágrimas, lave o rosto e vá lá dar uma olhada na lista de metas, relembrando as etapas que já venceu. Chorar não é fraqueza, gente. É transbordar sentimentos. Não precisamos ser chafarizes por isso, mas de vez em quando, bem de vez em quando, até que faz bem. O importante é a parte de enxugar as lágrimas e seguir em frente. Você tem a obrigação de ser feliz e tudo é possível SIM. As pessoas nocivas na verdade também precisam de atenção e carinho, mas há algumas que simplesmente não querem mudar. Essas que são duras como pedra vão negar qualquer tipo de evolução e conselho, vão te xingar quando você quiser dizer algo legal e não vão aceitar as críticas, sempre justificando sua forma de ser pelas dores que já tiveram na vida. Pois bem, afaste-se. Pessoas que só veem o lado ruim de tudo não fazem bem a ninguém. Mesmo que seja seu pai ou sua mãe, procure uma forma saudável de seguir em frente com a sua vida. Fuja de drogas, de álcool, de gente estranha que só vai te fazer voltar para casa com culpa no coração. Fuja de coisas ruins fora de casa que só vão te fazer acreditar que o mundo é feito de infernos e você tem que escolher o menos pior. Isso não é verdade. Existem, sim, os paraísos e você é super capaz de viver o seu próprio. Se você não é aceito e respeitado em algum lugar, saia dele e vá ser feliz com seus semelhantes. Eles existem no mundo, basta você cuidar bem de si mesmo, ter coragem para mudar e encontrá-los na hora certa.
E aos pais que estão lendo isto porque algum filho ou filha te identificou neste texto: procure melhorar como pessoa. Você deve ser uma pessoa ótima, mas está fazendo outros sofrerem. Você precisa se sentir mais leve e feliz, então vá procurar ajuda e se cuidar também. Seu(sua) filho(a) está tentando te mostrar um caminho para isso, então aceite que você não é o(a) dono(a) da verdade e pode ser melhor. Se a convivência é impossível, não jogue isso na cara dele(a), ajude-o(a) a sair de casa com segurança. Dê motivação para que essa pessoa voe e deixe-o(a) ir, mas sem ameaças ou chantagens emocionais. Torça de verdade para que ele ou ela seja feliz. Essa pessoa não é você. Nasceu de você mas não pensa como você e não vai seguir uma vida parecida com a sua. Será outra pessoa. Outras coisas a fazem feliz. Deixe-o(a) viver a sua vida e motive-o(a) a buscar a felicidade. Pois ela existe sim. Isto serve inclusive pra você. Se o seu pai, sua mãe ou qualquer outra pessoa com quem você cresceu agiu dessa forma contigo e você percebeu que era errado, não repita com mais ninguém! Não somos obrigados a repetir o que não está certo só porque aprendemos dessa forma. Existem maneiras melhores de realizar a mesma tarefa! Procure saber quais são e desenvolva. Todos podemos evoluir e melhorar e isso independe da idade. Nunca é tarde para se fazer algo novo e melhor. Seu filho ou sua filha não é propriedade sua e essa pessoa só depende de você porque precisa, não porque quer. Ajude-o(a) a não precisar mais de você, ainda que isso, no fundo, seja doloroso pra você. Essa pessoa deve seguir o seu caminho e você precisa aceitar isso com amor no coração.

segunda-feira, 27 de março de 2017

A música "Ninguém".

Ninguém é uma canção que nasceu aos poucos. Fui cantarolando o refrão durante alguns dias, talvez meses. Fiquei imaginando o que colocar nas estrofes. Era a época em que eu andava bastante a pé e aproveitava esse momento para observar as pessoas na rua. Esperando o ônibus certa vez, um grupo de surdos se aproximou. Eu fiquei ali observando a forma como eles se comunicavam por gestos e me senti uma estrangeira. Era uma cena silenciosa e gestual onde as pessoas tinham uma forma totalmente diferente de comunicação e precisavam prestar bastante atenção umas às outras para se entenderem. "Aquele que não ouve precisa que alguém preste atenção nos seus gestos..." E assim foi nascendo uma das estrofes. Foi literal mesmo.
Percebi que o refrão era a costura que uniria uma estrofe à outra com histórias do cotidiano e fui montando a música com essa ideia. Como crio a canção fazendo a letra e a melodia ao mesmo tempo, foi mais fácil terminar a Ninguém depois que decidi qual seria sua mensagem. 
Ela tem uma força tão bonita que muitas pessoas vêm e dizem que adoram a Ninguém. Eu a vejo tranquila, sincera e simples. Tem um passeio melódico agradável, pois foi feita com bastante carinho. Aliás, sou muito suspeita pra falar do carinho com as minhas músicas... Pra mim elas são como filhas e cada uma tem sua personalidade. Tanto é assim que vão mudando também com o tempo: cada vez que interpreto, elas já estão mais "crescidas". :)

Com vocês, a Ninguém. <3 p="">



domingo, 21 de agosto de 2016

Jorge

A "Jorge" nasceu texto primeiro. Não tinha melodia. Era um texto que escrevi em um dos meus tantos cadernos, onde escrevo pensamentos que funcionam quase como um diário. Lá estava a "Jorge" esperando para virar música.
Antes da versão do link abaixo, teve outras versões, com outros arranjos e caras, mas no CD "Unni", ela está alegre. Mais alegre do que sua essência sugere.
Sua história é sobre um amor adolescente que durou alguns anos e tornou-se um amor da primeira fase adulta também. Um amor que durou muito. Teve semente e tudo. Mas quando germinou, foi cortado logo em seguida. Germinou cedo demais, clandestinamente demais. Tornou-se até algo preocupante, pelas suas consequências, ou inconsequências. Deixou até cicatriz. Mas teve sua beleza; e por ter essa beleza, virou música.
Segue o link da "Jorge" no Spotify.




sexta-feira, 29 de julho de 2016

Perfeita pra Você


Iniciando a série de postagens sobre as músicas do CD Unni aqui no blog, vou falar sobre o nascimento de cada uma delas na mesma ordem do álbum. A postagem de abertura é sobre a música Perfeita pra Você.

A "Perfeita pra Você" tem características de primeira em tudo. É a primeira do CD, nasceu com a primeira frase, ainda sem melodia "eu sou a soma de tudo que eu tenho e de tudo que me falta..."
Ela foi também a primeira a ganhar um clipe e vai ser a primeira a ser traduzida, por assim dizer, nesta lista de músicas a serem "contadas". Pois cada uma é - além de uma canção - também um conto.

Eu a escrevi pensando no que somos. Somos diferentes a cada momento, ainda que não percebamos isso tão nitidamente. Uma nova palavra, um novo ponto de vista, uma nova ideia, uma nova esperança. "Tudo muda o tempo todo no mundo", já disse Lulu Santos. E somos assim também: mudamos, até o final. Não vai existir o momento em que você vai estar completamente pronto pra alguém. Nem alguém vai estar completamente pronto pra você.

Falando de um amor romântico, são duas pessoas que se encontram em um determinado momento das suas vidas e elas se encaixam, com suas perfeições e imperfeições. Eles dois colaboram um para a evolução do outro. São, dessa forma, perfeitos um para o outro.

Um grande amigo meu ouviu a música e propôs fazermos um clipe, com os recursos que tínhamos, com praticidade, alegria e muita vontade. E então, de uma conversa nasceu este clipe feito entre amigos. Um presente que ganhei de uma pessoa muito querida, o Khris Taylor. Pois a Perfeita pra Você é ainda mais abrangente: ela fala de qualquer relacionamento. Amizade é um deles. E se trata sempre de duas pessoas em transformação que se encontram em um determinado momento para transformarem também uma à outra.

Eu me sinto transformada por cada uma das pessoas que participaram do processo de nascimento, construção e acabamento dessa música. A produção é de Rodrigo Lemos, ex Banda Mais Bonita da Cidade, o Lemoskine. As gravações foram feitas em Curitiba no estúdio AudioStamp com o Virgílio Milléo, e a mixagem e masterização foram feitas no Rio de Janeiro, por Jafi Augusto e Ricardo Garcia, respectivamente.

Com vocês, a Perfeita pra Você:

terça-feira, 26 de julho de 2016

Consciência do que queremos

Hoje li um pequeno texto do Sri Prem Baba que quero compartilhar aqui com vocês:

“Quanto mais freneticamente você busca por algo e mais esse algo parece fugir de você, maior é o seu não inconsciente para isso que conscientemente você deseja;e maior é a sua inabilidade para lidar com esse não. Ao tomar consciência desse não, você inicia o processo de compreensão e transformação dessa dificuldade. Então, talvez você descubra que isso que você quer não é exatamente o que você precisa; talvez seja somente um capricho do seu ego; uma obstinação para satisfazer uma vaidade.”

E não é que é verdade?

Perceba só: quando você supostamente quer muito algo mas ele não acontece, de certa forma você internamente não quis esse algo. Como se uma voz interna, sábia, te dissesse que não é isso que você precisa verdadeiramente; mas você por teimosia insistisse em contrariar essa voz sábia interna, por pura vaidade de provar que consegue o que "quer". Percebeu?

Nós temos, por vezes na vida, a mania de contrariar nossa voz interna só por teimosia caprichosa. É um capricho bobo, que nasce mais do medo que da certeza. E não é um baita medo. É geralmente um medo tão bobo quanto o capricho. Quer ver?

Quando você pensa que quer uma pessoa na sua vida e insiste que é essa pessoa que você quer do seu lado e nenhuma outra mais. Por algum motivo essa pessoa já não faz mais parte da sua vida, pois vocês mudaram de sintonia, de caminhos, algo assim. Você, na verdade, não quer mais essa pessoa. Mas acredita que quer, pelo medo bobo que você tem de ficar sozinho. Então é como se essa pessoa, que você julga ter se encaixado perfeitamente no que você quer, fosse a única que pudesse acompanhar você neste mundo tão cheio de gente complicada. E a única que você poderia também acompanhar. Deixa eu te contar um segredo: ela não é a única pessoa que pode se encaixar em você. Você só está com preguiça de encarar um mundo novo em outra pessoa. Sim, porque conhecer uma pessoa nova dá trabalho! É todo um universo de novidades. 
Mas pare com essa preguiça! Você mudou! Você precisa conhecer alguém novo. E pare de comparar as pessoas! Uma é diferente da outra. Algumas se encaixam mais, outras menos. Demora um pouco achar quem se encaixe bem. Demora um pouco para percebermos que encaixamos.Tenha paciência com o outro e consigo mesmo. 

E quando não se trata de uma pessoa, se trata de uma promoção no trabalho, um projeto? Pois bem, é a mesma coisa. Temos pouca paciência para a trajetória e acabamos acreditando que os nãos estão fora da gente. Os nãos são pedidos nossos! É engraçado pensar desse jeito, porque ninguém quer nãos, pelo menos não conscientemente. Mas, sim, nós os atraímos. Ou para superarmos e termos o gosto da vitória, por ainda não nos sentimos cem por cento merecedores ou preparados para o sim, ou porque internamente não queremos mesmo. Queremos outra coisa, mas temos um pouco de medo de admitir. 

Enfim, como você já viu este é um texto bastante simples. 

Tem tom de autoajuda e é um tanto como outros textos que você pode ler por aí. Mas este é meu, de coração pra você. =) 

Escrevi pra quem quiser vir e aproveitar dessa sincronicidade da vida que é ler um texto que se encaixa perfeitamente no que você precisava ler hoje. Pelo menos foi assim pra mim quando li o trecho do Sri Prem Baba que coloquei lá em cima. 

Espero que este raciocínio sobre nossa consciência do que queremos tenha sido útil pra você. É aquela velha história do "ouça o seu coração", sabe? Só que ouça mesmo. Tira os filtros da vaidade da frente e veja com clareza aquilo que você realmente precisa. 

É isso.  =)

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

O significado da palavra Unni

Para começar - ou recomeçar - vou explicar o porque do nome Unni.

"Unni es coreano, y significa hermana mayor, aunque se usa entre amigas también, para referirse a una amiga mayor." (fonte: palabrita.net)

Tradução: Unni é coreano e significa irmã mais velha, ainda que seja usado entre amigas também ao se referirem a uma amiga mais velha.

A explicação acima se encaixa perfeitamente naquilo que sou para os meus irmãos: a irmã mais velha. E também no que sou para alguns dos meus amigos. Né Lipe?

Mas existe uma tradução da palavra Unni que aprendi nas leituras e práticas do Yôga que foi a que me prendeu a atenção e com a qual eu me identifiquei desde um início:

"Em sânscrito, unni significa liderar, resgatar, erigir, plantar, levantar, exaltar, engrandecer, edificar, construir, montar, estender, avançar, pôr diante, desembaraçar, causar, determinar, ajudar, promover." (fonte: uni-yoga.org)

Na versão para computador, vocês têm no final da página a opção "Receba novos posts", que permite incluir seus emails na lista do blog e receberem minhas atualizações na sua caixa.

Sintam-se livres para comentar, quando assim quiserem. Sempre haverá alguém que queira dizer algo relevante, incluir alguma idéia ou pensamento, fazer uma observação ou acrescentar um dado. E será uma grande troca, pois além de escrever pra vocês, também quero aprender com vocês.

Um grande abraço,

Maricel

sexta-feira, 31 de julho de 2015

O blog voltou

Tive uma ideia, ao reativar o blog. Vou falar de trabalho, contar a história de uma música do Unni por vez e temperar com textos livres.

Este é meu texto livre de hoje, para celebrar a reinauguração da casa.

Pensei em omitir todos os textos mais antigos, mas decidi deixar alguns por enquanto. Afinal, eles são provas da mudança e da evolução. E provas também, por outro lado, de que há certas características que temos que não mudam nunca.

Assustadoramente as coisas se tornam passado. Favoravelmente também. Nunca o passado é melhor que o presente, porque só no presente podemos fazer tudo do jeito que queremos. E isso é excitante, não é mesmo?

Os textos livres são o exercício da minha vontade de falar sobre assuntos variados, que, dentro da sua banalidade ou expressão despretensiosa, guardam algo de importante pra ser postado. Nem que seja pra registrar ideias momentâneas, não fixas. Sim, porque mudamos. Sempre aprendemos a vestir alguns trajes comportamentais que antes ignorávamos ou não considerávamos importantes.

Se além do blog existem outras novidades? É claro que sim! Mas sobre esses assuntos vou falar em outros posts. Hoje, aqui neste texto, só vim saudar a reativação da fábrica de palavras.

Quem sou eu

Minha foto
Brazil
Eu gosto de todas as formas de expressão.